Pesquisar este blog

Seguidores do Nosso Bloguinho - Mural Blogger

domingo, 26 de maio de 2013

O Mosquito Escreve


                                                                      Poesia de Cecília Meireles

O mosquito pernilongo
trança as pernas, faz um M,
depois, treme, treme, treme,
faz um O bastante oblongo,
faz um S.

O mosquito sobe e desce.
Com artes que ninguém vê,
faz um Q,
faz um U, e faz um I.

Este mosquito
esquisito
cruza as patas, faz um T.
E aí,
se arredonda e faz outro O,
mais bonito.

Oh!
Já não é analfabeto,
esse inseto,
pois sabe escrever seu nome.

Mas depois vai procurar
alguém que possa picar,
pois escrever cansa,
não é, criança?

E ele está com muita fome.

imagem1
.
imagem 2
A grande Poeta Cecília Benevides de Carvalho Meireles ou tão somente Cecília Meireles, nasceu em 7 de novembro de 1901, no Rio de Janeiro. Órfã ainda criança, foi educada pela avó materna. Professora primária formada em 1917, dedicou-se ao magistério. Em 1919 publicou seu primeiro livro de poesias, Espectros, de tendência parnasiana. A partir dos livros Viagem (1939) e Vaga Música (1942), alcançou a maturidade literária, inspirando-se principalmente no simbolismo. Seu estilo, extremamente pessoal, dificulta a classificação de sua obra em uma escola literária específica, no entanto, o nome dessa ilustre poeta fulgura entre os principais autores do modernismo. Lírica, intimista e mística, abordou os temas da precariedade da vida, do amor, da morte e da fugacidade do tempo

Fonte Cecilia Meireles. Ou isto ou aquilo.
Nova Fronteira,  9ªedição 2002.
1. site dessa imagem

2. site dessa imagem 



quarta-feira, 8 de maio de 2013

Partida Inteira

                                           poesia de Leontino Filho
Minha alma cega
enxerga o teu corpo
rasgando
os sóis nus da madrugada

Minha alma louca
persegue os teus olhos
incendiando
as luas tortas da noite

Minha alma vã
colhe o teu cheiro
mergulhando
nos ventos doídos da tarde

Minha alma vai
sem pressa
ao encontro
da perdição:
um corpo só corpo
sem alma
a minha


Leontino Filho, poeta cearense, Mestre em Literatura Comparada pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte e Doutor em Estudos Literários pela UNESP, Campus de Araraquara, SP, é autor dos seguintes obras:  Amor – uma palavra de consolo, 1982; Imagens, 1984; Cidade íntima, 3 edições: 1987, 1989, 1999; Entressafras, 1988, em parceria com o poeta potiguar Gustavo Luz; Sagrações ao meio, 1993.