Pesquisar este blog

Seguidores do Nosso Bloguinho - Mural Blogger

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Felicidade Clandestina

Clarice Lispector


Ela era gorda, baixa, sardenta e de cabelos excessivamente crespos, meio arruivados. Tinha um busto enorme; enquanto nós todas ainda éramos achatadas. Como se não bastasse, enchia os dois bolsos da blusa, por cima do busto, com balas. Mas possuía o que qualquer criança devoradora de histórias gostaria de ter: um pai dono de livraria.

Pouco aproveitava. E nós menos ainda: até para aniversário, em vez de pelo menos um livrinho barato, ela nos entregava em mãos um cartão-postal da loja do pai. Ainda por cima era de paisagem do Recife mesmo, onde morávamos, com suas pontes mais do que vistas. Atrás escrevia com letra bordadíssima palavras como "data natalícia" e "saudade".

Mas que talento tinha para a crueldade. Ela toda era pura vingança, chupando balas com barulho. Como essa menina devia nos odiar, nós que éramos imperdoavelmente bonitinhas, esguias, altinhas, de cabelos livres. Comigo exerceu com calma ferocidade o seu sadismo. Na minha ânsia de ler, eu nem notava as humilhações a que ela me submetia: continuava a implorar-lhe emprestados os livros que ela não lia.

Até que veio para ela o magno dia de começar a exercer sobre mim uma tortura chinesa. Como casualmente, informou-me que possuía As reinações de Narizinho, de Monteiro Lobato.

Era um livro grosso, meu Deus, era um livro para se ficar vivendo com ele, comendo-o, dormindo-o. E completamente acima de minhas posses. Disse-me que eu passasse pela sua casa no dia seguinte e que ela o emprestaria.

Até o dia seguinte eu me transformei na própria esperança da alegria: eu não vivia, eu nadava devagar num mar suave, as ondas me levavam e me traziam.

No dia seguinte fui à sua casa, literalmente correndo. Ela não morava num sobrado como eu, e sim numa casa. Não me mandou entrar. Olhando bem para meus olhos, disse-me que havia emprestado o livro a outra menina, e que eu voltasse no dia seguinte para buscá-lo. Boquiaberta, saí devagar, mas em breve a esperança de novo me tomava toda e eu recomeçava na rua a andar pulando, que era o meu modo estranho de andar pelas ruas de Recife. Dessa vez nem caí: guiava-me a promessa do livro, o dia seguinte viria, os dias seguintes seriam mais tarde a minha vida inteira, o amor pelo mundo me esperava, andei pulando pelas ruas como sempre e não caí nenhuma vez.

Mas não ficou simplesmente nisso. O plano secreto da filha do dono de livraria era tranquilo e diabólico. No dia seguinte lá estava eu à porta de sua casa, com um sorriso e o coração batendo. Para ouvir a resposta calma: o livro ainda não estava em seu poder, que eu voltasse no dia seguinte. Mal sabia eu como mais tarde, no decorrer da vida, o drama do "dia seguinte" com ela ia se repetir com meu coração batendo.

E assim continuou. Quanto tempo? Não sei. Ela sabia que era tempo indefinido, enquanto o fel não escorresse todo de seu corpo grosso. Eu já começara a adivinhar que ela me escolhera para eu sofrer, às vezes adivinho. Mas, adivinhando mesmo, às vezes aceito: como se quem quer me fazer sofrer esteja precisando danadamente que eu sofra.

Quanto tempo? Eu ia diariamente à sua casa, sem faltar um dia sequer. Às vezes ela dizia: pois o livro esteve comigo ontem de tarde, mas você só veio de manhã, de modo que o emprestei a outra menina. E eu, que não era dada a olheiras, sentia as olheiras se cavando sob os meus olhos espantados.

Até que um dia, quando eu estava à porta de sua casa, ouvindo humilde e silenciosa a sua recusa, apareceu sua mãe. Ela devia estar estranhando a aparição muda e diária daquela menina à porta de sua casa. Pediu explicações a nós duas. Houve uma confusão silenciosa, entrecortada de palavras pouco elucidativas. A senhora achava cada vez mais estranho o fato de não estar entendendo. Até que essa mãe boa entendeu. Voltou-se para a filha e com enorme surpresa exclamou: mas este livro nunca saiu daqui de casa e você nem quis ler!

E o pior para essa mulher não era a descoberta do que acontecia. Devia ser a descoberta horrorizada da filha que tinha. Ela nos espiava em silêncio: a potência de perversidade de sua filha desconhecida e a menina loura em pé à porta, exausta, ao vento das ruas de Recife. Foi então que, finalmente se refazendo, disse firme e calma para a filha: você vai emprestar o livro agora mesmo. E para mim: "E você fica com o livro por quanto tempo quiser." Entendem? Valia mais do que me dar o livro: "pelo tempo que eu quisesse" é tudo o que uma pessoa, grande ou pequena, pode ter a ousadia de querer.

Como contar o que se seguiu? Eu estava estonteada, e assim recebi o livro na mão. Acho que eu não disse nada. Peguei o livro. Não, não saí pulando como sempre. Saí andando bem devagar. Sei que segurava o livro grosso com as duas mãos, comprimindo-o contra o peito. Quanto tempo levei até chegar em casa, também pouco importa. Meu peito estava quente, meu coração pensativo.

Chegando em casa, não comecei a ler. Fingia que não o tinha, só para depois ter o susto de o ter. Horas depois abri-o, li algumas linhas maravilhosas, fechei-o de novo, fui passear pela casa, adiei ainda mais indo comer pão com manteiga, fingi que não sabia onde guardara o livro, achava-o, abria-o por alguns instantes. Criava as mais falsas dificuldades para aquela coisa clandestina que era a felicidade. A felicidade sempre iria ser clandestina para mim. Parece que eu já pressentia. Como demorei! Eu vivia no ar… Havia orgulho e pudor em mim. Eu era uma rainha delicada.

Às vezes sentava-me na rede, balançando-me com o livro aberto no colo, sem tocá-lo, em êxtase puríssimo.

Não era mais uma menina com um livro: era uma mulher com o seu amante.

Clarice Lispector
O Primeiro Beijo
São Paulo, Ed. Ática, 1996

domingo, 18 de dezembro de 2011

Tenho aprendido que...

[...] tenho aprendido com todas essas coisas que queremos conhecer e compreender a outros, quando na verdade não somos capazes de entender a nós mesmos. Podemos afirmar que conhecemos e dominamos todos os pensamentos e sentimentos que secretamente se instalam em nossa mente?...

Do livro “O Silêncio das Lembranças” da autora Margarete Solange

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Questões de Lógica Infantil

Poesia de Margarete Solange
Se o macaco-prego
Quer uma linda namorada,
Qual das duas é melhor:
Macaca-prega ou
Macaca-pregueada?
Dona Grila
Teve seis grilos,
Todos seis eram grilados.
Um grilo bateu as botas
E três ficaram curados.
Quantos grilos estão grilados?


Se a galinha dos ovos de ouro 
Tiver vários filhotinhos,
Eles serão pintos de ouro
Ou galinhos douradinhos?

Se o casal de cágados tem
Um montão de filhotinhos,
Eles são filhotes-cágados
Ou filhotes cagadinhos?


O boi búfalo
Quer uma búfala
Com quem possa se casar,
Quando nascerem os filhos
Como eles vão se chamar?








Fonte: Margarete Solange.
Inventor de Poesia Infantil:
Fantoches e Poesia.
Queima Bucha, 2010.
Ilustrações de Jorge Davi
.
Veja nos arquivos de Março/2010:
Conhecendo o Ilustrador.

sábado, 26 de novembro de 2011

Conto de fadas para mulheres do séc. 21


Era uma vez uma linda moça que perguntou a um lindo rapaz:
– Você quer casar comigo?
Ele respondeu:
– NÃO!
E a moça viveu feliz para sempre, foi viajar, fez compras, conheceu muitos outros rapazes, visitou muitos lugares, foi morar na praia, comprou outro carro, mobiliou sua casa, sempre estava sorrindo e de bom humor, nunca lhe faltava nada, bebia cerveja com as amigas sempre que estava com vontade e ninguém mandava nela. O rapaz ficou barrigudo, careca, o pinto caiu, a bunda murchou, ficou sozinho e pobre, pois não se constrói nada sem uma MULHER.
.

Conto de Luiz Fernando Veríssimo



Há sempre uma piadinha para divertir os homens com caricaturas que ridicularizam as mulheres. Não vou negar que me divirto bastante com elas, mas concordo que, por vezes o exagero chega a chocar, com isso as mulheres ficam bem chateadas. Deu para sentir isso quando postamos aqui no Bloguinho a crônica “Bom Marido” de Fernando Veríssimo. Acho natural que elas queiram dar o troco! Assim sendo, ai vai a nossa singela contribuição masculina para a revanche das mulheres. Afinal, concordo plenamente com a escritora Margarete que diz em sua poesia “Às Mulheres”,  “Quem pode existir sem ela?”


É isso ai, menina, lindas, 
maravilhosas e fashion desse 
nosso querido bloguinho, 
não vamos deixar barato, não! 
Deixa um recadinho, 
nem que seja um sonoro
KKKKKKKKKK




Para ler a crônica “Bom Marido”, acesse

Para ler a poesia "Às Mulheres', acesse

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

A Arte de Perder

Margarete Solange
Ah, se eu pudesse não perder nunca!
Nem chaves, nem cidades, nem continentes,
Muito menos pessoas... Nada!
Porque a arte de perder, Bishop, é dolorosa.
É bela tão somente nos versos
De tua  bem escrita poesia.
Mas se ela insiste em ensinar lições,
Perder a cada dia para aprender,
Seria mais perder que aprender.
Se eu pudesse administrar o perder
Que vez por outra me arrebata algo,
Não seria tão mal.
Que esse arrebatar não seja sempre!
Não seja dia-a-dia.
E no momento de ser, não seja tão cruel.
Por vezes as perdas se tornam constantes,
Malvadas e mal-vindas.
Então sofrer com resignação seria uma arte?
Seria uma arte acalentar o pranto?
Não seria isso covardia:
Apenas aceitar, seguir sem olhar para trás,
Sem querer resgatar aquilo que se perdeu?
O que seria propriamente a arte?
Ser imune a dor da perda ou render-se a ela?
Na minha fragilidade renego essa arte,
O que realmente desejo é raramente perder.



Fontes: Margarete Solange.
Inventor de Poesia: 
Versos Líricos. Queima-bucha, 2010
Essa poesia "A Arte de Perder"
faz referência a poesia One Art (Uma Arte)
da Autora Elizabeth Bishop

           Uma arte
                                      Elizabeth Bishop
                                      Tradução de Margarete Solange
 .
A arte de perder não é difícil de realizar,
Tantas coisas parecem predestinadas a serem perdidas
Que perdê-las não seria nenhuma desgraça.

Perca algo todos os dias. Aceite o embaraço de perder
chaves de portas, horas mal empregadas.
A arte de perder não é difícil de realizar.

Pratique a perda ainda mais, perdendo algo
frequentemente: lugares e nomes, e onde quer ela esteja
vá ao seu encontro. Nada disso será uma desgraça.

Perdi o relógio de minha mãe. E veja! minha última, ou
quase última, de três adoráveis casas perdidas.
A arte de perder não é difícil de realizar.

Perdi duas cidades que eram incríveis. E, mais que isso,
alguns domínios que possuía, dois rios, um continente.
Eu os perdi, mas não foi uma desgraça.

Mesmo perdendo você (a voz divertida, gestos que amo)
não devo mentir. É evidente que
a arte de perder não é tão difícil de realizar
embora ela pareça (escreva-se) uma desgraça.
 .


sábado, 12 de novembro de 2011

Mais uma Brincadeira

Gente, aproveite porque essa é última brincadeira para ganhar os novos livros da autora Margarete. Quem não ganhar, já sabe, só vai ter, se comprar. 
.
Os requisitos para participar são:
Ser membro da comunidade Escritora Margarete Solange, no orkut. 
O link é

e também fazer parte do no mural de seguidores do 
.
Então você manda convites para seus amigos dizendo que eles devem postar o seguinte: 
.
ENTREI NESTA COMUNIDADE PORQUE MEU AMIGO.... (perfil do amigo que convidou) ME CONVIDOU. 
.
Se pelo menos UM dos seus convidados postar lá na brincadeira da comunidade, você ganha um dos dois lançamentos da autora. A saber: 



o Romance literário O Silêncio das lembranças”


ou, o livro evangelístico de crônicas e poesias  “O Crente não escolhe, é um escolhido. 

Mas veja bem, Você tem que ser seguidor NESSAS TRÊS CATEGORIAS MENCIONADAS e o amigo ou amigos que você convidar devem postar na página da brincadeira na comunidade e permanecer nela. Portanto, convide alguém que você imagina que vai gostar dos trabalhos da escritora e deseje realmente participar da comunidade. Não é nada elegante alguém entrar pra você ganhar o livro e depois sair.

Big beijo de toda turma

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Família Literário Bloguinho


Somos uma equipe, acreditamos que a literatura deve ser lida e vivida. Formamos uma família literária que cria, recria e se diverte. Atuamos como pesquisadores, escritores, professores, ilustradores, repórteres, fotógrafos e personagens. Brincamos de ser bicho, brincamos de ser gente.


Quem são Nossos Personagens?

Marina Bravia 
.
Marina é escritora. Personagem do livro "O Silêncio das lembranças", veio para o mundo real para trabalhar no Literário Bloguinho criando histórias e persongens. Uma espécie de fada madrinha dos tempos modernos que em ao invés de uma varinha, tem nas mãos um lápis e com ele faz surgir os desejos e exigências de seus persongens que são por ordem de exibimento: Aninha, Leon, Mélan e DonAnona.

Aninha DiCaprio

Aninha, apresentadora do Nosso bloguinho SE ACHA a super, a estrela máxima. Segundo ela, foi atriz e modelo famosa, só que ninguém ouviu falar nisso, além dela mesma. Inteligente, exibida e sem noção, foi criada por Marina para o quadro "Vamos contar história". É filha da minhoca DonAnona que nasceu no Sítio Trapiá, mas essa parte de sua biografia ela tenta esconder dos fãs. Surgiu como uma minhokita verde em folha, porém não satisfeita com sua origem, ao saber que uma lagarta podia se transformar numa borboleta, mudou sua própria história. Dessa forma, de minhoca passou a largarta, Todavia, na hora de se transformar numa borboleta, transformou-se numa menina: baixinha, fofinha com cara de porquinha. Ao conhecer Leon Fernandez, filho de Marina, resolveu se engraçar com ele, visto que percebeu que o menino era um exímio ilustrador. O namoro não deu muito certo especialmente por ela ser uma minhoca e ele um filhote de Leão, além disso, apesar de ter uma cabeça de adulto, ele era somente um menino nove anos mais jovem que ela. A estrela aproveitou-se dos talentos artísticos do menino-rapaz para melhorar sua imagem, então ficou magrinha, magrinha e perdeu a cara de porquinha. Grande fã de Jolie, pediu para ter a cara dela, porém, como o ilustrador é grande admirador da administradora deste blog, resolveu fazer Aninha parecida com ela. E não é que a minhokita aprovou e até passou a imitá-la em toda sua maneira de ser. Pois é gente, essa nossa história pode até não ter verossimilhaça, é verdade, mas para nós que fazemos parte dela, tem muita graça!

Leon Fernandez

Um menino precoce, ilustrador, repórter e apresentador do Nosso Bloguinho, não é nada modesto, nem humilde. Era uma simplória bolsinha de criança, então Marina o adotou e com o tempo, usando a escrita, o transformou num leão fantoche e ele tratou de se ilustrar. Como era muito cabeçudo, sofreu bulliyng, especialmente da fotógrafa Rafaela mãe biológica da Mélan que também trabalha neste blog. Antes trabalhava somente no teatrinho de fantoche, animado festa de criança. Mas tanto pediu que Maressa, a administradora do nosso bloguinho, o contratou como animador. O fantochinho arrazou! Conquistou o coração de moças e senhoras por ser cortez e falante. Talentoso e inteligente passou a ser gente. Um menino-adolescente com atitudes de gente grande que adora se chamado de rapaz. Determinado e ousado deseja ser um grande escritor, ilustrador e arquiteto cheio da grana.
Nina Melanzinha
.
Essa menina se chama Mélan. É conhecida na intimidade como Nina Melanzinha. E sabem  por quê? Mélan vem de melancia e Nina de menina. Pois não é que ela é prima da estrela Aninha Dicaprio que também nasceu no Síto Trapiá. A bonekita de pano, morena, pequena e engraçadinha, na verdade se chama Mélan porque tem poupança bem grandinha. Inteligente e estudiosa, porém às vezes se atrapalha nas ideias e faz ou diz abobrinhas. Fiel escudeira da escritora, na história antiga nos tempos em que os pretinhos eram escravos, foi mucama de Marina. Porém, mudaram todos para os tempos modernos, então a moreninha foi encontrada encolhidinha dormindo no chão da rodoviária em fortaleza, enquanto chegava a hora de pegar o ônibus para voltar para sua terrinha, o Sítio Trapiá. Marina então resolveu adotá-la porque descobriu que ela adorava ler, ouvir histórias e brincar de faz de conta. Leon foi quem não gostou nada, nada dessa novidade. Apesar das implicâncias desses quase irmãos, Marina e ela tornaram-se grandes amigas, juntas embarcam em incríveis aventuras, tanto na vida real como no mundo dos livros. Menina pobre, acostumada a falta de dinheiro, Nina é esperta em economia! Quando as duas vão ao shopping a bonekita rapidamente faz uma pesquisa e preço, então comem sandwich  de boa qualidade na melhor das promoções. Nina não costuma se exibir pela beleza como Aninha, nem pela inteligencia como Leon, mas é cheia de esperteza e seu grande sonho é ter uma profissão que lhe dê honras e um bom emprego para poder aproveitar melhor a vida ao lado dos amigos.

Esses nossos personagens bloguinianos, surgiram especialmente da necessidade de animar uma seguidora muito especial chamada Nadijanita Bonita, descendente de Maria Bonita, que estava passando por momentos de turbações e precisava de motivos para rir e reagir. Ela nos acompanha desde a fundação do blog. Na alegria e na tristeza, na realidade e na literatura, ela tem sido nossa fiel seguidora. E temos visto que ela tem passado por grandes transformações. Pois é, pessoal, esse blog também tem efeitos terapêuticos. 
.
Nadijanita Bonita

Viram, só como a Nadijanita está bonita? Pois é, essa gatona tem duas filhas gatinhas: Lalita Bonita, que é fotógrafa deste blog e também trabalha no teatro de fantoche animando os personagens que não falam nada, por que ela é tímida por demais; e a estilista Joanita Bonita que para desagrado de Aninha, é alta magra e fashion, e ainda por cima é a atual namorada de Leon Fernandez. Latita é grande amiga de Aninha, Joanita já não era, e agora então,  não sei, não...
Joanita e Lalita, bonitas
.
Conversa vai, conversa vem, descobrimos que a minhokita DonAnona e a gata Nadijanita são irmãs, pode uma coisa dessa?! Mas olhando bem até que se parecem um pouquinho. Esse mundo é mesmo pequeno e o Sitio Trapiá é menor ainda. Lá todo mundo é meio que... parente?!
Apois é, pessoá, é desse jeito. Só isqueceram de dizer que tou apusentada masi já fui prunfessora de purtugueisi durante anos no Trapiá. Ói, mas a istora não finda por aqui, não. Adispois tem mais. Num se assuti, não, aqui nesse brog, tudo é possivi, minhoca fala,  leão vira gente, tudo por aqui vira literatura, num sabe?! Quanto tu tiver injuado do mundo de verdade, vem pra cá, morar cum nois.


Ité pessoá!

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

O Silêncio das Lembranças

Olá, meus amores e minhas amoras. Já que o pessoal deste blog está fazendo uma greve literária, eu, Marina Bravia, vou apresentar para vocês a obra da autora  Margarete Solange, o Silêncio das Lembranças. Pois é, alguém tem que trabalhar neste blog, não acham? Então vamos lá.
Em 1997 essa obra foi publicada de maneira meio caseira. A autora e seu marido confeccionaram alguns exemplares com a ajuda do computador e distribuíram entre parentes, amigos e também na biblioteca de uma escola pública na qual a autora tralhava na época. 



Vejamos as capas que mostram o antes e o agora.

  
O romance se divide em duas fases. Na primeira, a narradora Marisca inicia com um pincelada na infância e então no terceiro capitulo já entra na adolescência. E ai muita coisa acontece nesse período em que as meninas, estão decobrindo o amor, elas se apaixonam, são correspondidas ou não e por ai vai. Até a metade da obra o cenário é composto pelos sítios e pela Casa Grande da família paterna, num lugarejo chamado Jardim das Vagens no qual não há sequer energia elétrica. Na segunda parte da história, todo mundo ficou adulto, então, acontecem as reviravoltas e grandes emoções que, claro, não vou contar para não estragar o prazer de suas descobertas na hora da leitura.

Bom, agora, para você se interessar ou se desinteressar de vez pela obra, aí vai o resumo que consta na capa do livro....

RESUMO DA OBRA 

Marina e Marisca, duas meninas apaixonadas por leitura e pelo contato com a natureza. Felizes, brincam soltas pelos sítios que pertencem às suas tias, nos derredores da querida Casa Grande em Jardim das Vargens. Marisca, atrapalhada e dotada de imaginação fértil, confunde a realidade com o mundo dos livros. Espiona, às escondidas, os encontros de Marina e Stony, desaprova amizade da irmã com o solitário pintor.  Tenta, de todas as maneiras sondar que tipos de pensamentos e sentimentos se escondem no íntimo da sensível Marina e do misterioso rapaz. Como não consegue compreender totalmente o envolvimento dos dois, inventa, dando sua própria interpretação, a partir daquilo que vê, ouve e ler no caderninho de páginas amarelas, no qual a irmã revela seus sentimentos. Acredita que pode protegê-la das ciladas preparadas pelo coração e assim atrapalha o romance dos dois com a missão de conduzi-la a um destino melhor. Na fase adulta, torna-se jornalista e escritora; então resolve juntar tudo o que leu, viu e ouviu para escrever um romance no qual Marina é a personagem principal. Narrando sobre a irmã, revela tudo o que sabe, todavia, falando de si mesma, omite detalhes importantes. Quanto aos sentimentos do solitário pintor, não há muito que revelar, uma vez que, como ela mesma costuma dizer em sua narrativa, “não se pode sondar o íntimo de um coração sem janelas”.


Algumas cenas ilustradas

Vamos dar também uma olhadinha em algumas cenas da obra através das ilustrações do artista Jorge Davi e de sua parceira de arte e outras coisas mais Roanny Phanuelly.




Para onde vai a criança que fomos um dia? Por acaso se perde no tempo?... morre?... se  vai?... – Não. Está dentro de nós, até o fim de nossos dias. (p.84)

Ouvi falar que o seu Bastos havia sido mordido por um jumento e resolvi interrogá-lo sobre o incidente. Ele mostrou-me o braço direito que ficara bastante deformado a altura do antebraço e depois iniciou sua narrativa animado. (p.46)


Assim, estavam juntos outra vez, conversando amigavelmente, embora discordassem de vez em quando. Stony lia bastante e tinha muitas coisas interessantes para contar. Minha irmã ouvia, deslumbrada, quando ele derramava seus conhecimentos. (p.64)

Aproximou-se de mansinho e abraçou-a pela cintura. Apertou o seu rosto contra a cabeça de minha irmã. (p.69)


Permaneci apoiada à murada principal, que dava vista para a estrada larga por onde passavam os carros. Embora parecesse tranquila, não estava. Corria os olhos até onde podia alcançar a vista das vastas terras férteis. Contemplei a paisagem turva, por causa das lágrimas que brotavam incessantemente, descendo-me pelas faces. (p.83)

Ainda éramos muito parecidas. Tínhamos quase a mesma altura. O formato de nossos rostos não era muito diferente. Ela continuava magra. Eu tinha o corpo mais cheio e as pernas mais grossas e, como me elogiavam, dizendo que eram bem torneadas, decidi usar roupas curtas e sensuais. (p.105)


Sempre que estava por perto, visitava a Fazenda Coqueirais. O lugar era bonito e sossegado. (p. 111)

Desta vez sou eu quem vai inventar a história desse “chalé”... e vai ser um conto de terror, queridinha... prepare-se! (p.125)


Quando o dia clareou, adormeci ainda envolvida em minhas lembranças. Tinha impressão de que estava em um dos quartos da Casa Grande. Eram mais ou menos umas nove horas quando despertei com Marina ao meu lado, chamando pelo meu nome. (p.148)


Foi nessa época que escrevi o poema “O Silêncio das Lembranças”: (p. 175)


                  O Silêncio das Lembranças
poesia de Margarete Solange

Quando eu morrer, nada levarei comigo.
Nenhuma mágoa, nenhuma lágrima, nenhum sorriso.
As lembranças silenciarão para sempre.
As flores estarão murchas ao meu derredor.
O vento ousado que brincou com meus cabelos
Não beijará meus lábios outra vez.
 .
O sol irá se pôr todos os dias
E eu não o verei mais...
Os pássaros pousarão sobre as paredes brancas
De minha sepultura fria,
E cantarão belas canções que não poderei ouvir.
 .
                         Os que me amam hão de chorar, eu sei,
Mas em breve esquecerão meu rosto pálido
E debaixo do pó estarei sozinha, quieta,
Porque a areia não será capaz de me ouvir.
 .
O silêncio me tomará em seus braços
E sussurrará aos meus ouvidos:
Guardarei comigo o teu segredo para sempre”

Era uma noite fria de dezembro de 1982. Marina e eu conversávamos em seu quarto diante do espelho.  (p.194)


Levantei-me e segui até a janela que dava para o pátio da frente da casa e como era noite, eu nada poderia contemplar, além das sombras. O vento frio que soprou os meus cabelos curtos e ruivos nesse instante pareceu ter levado com ele as lembranças que eu queria sepultar. (p.198)


A Fonte das Pedras Limosas era somente um lugar fantástico onde duas meninas brincavam de inventar histórias. Minha irmã, como toda escritora de talento, tem uma imaginação muito fértil: criou um personagem e me fez acreditar que ele era real. Pois é, os escritores são assim, usam suas palavras como se fossem varinhas mágicas que criam pessoas e mundos imaginários. Criam histórias e nos fazem acreditar nelas, e até vivê-las, como se entrássemos literalmente nas páginas de seu livro. A partir dos personagens de obras lidas, fazem recriações, e às suas novas criações misturam experiências vividas, roubando ou emprestando características de pessoas do mundo real que estão em sua volta. Marina sempre judiou de mim, testando o poder de suas histórias dramáticas. (p.200)


Custo acreditar que... (p. 202)


Trechinho do Prefácio

Ai está também um trechinho do prefácio do professor Francisco Batista Pereira...


"Dessa forma, a escritora cria um clima de tensão emocional tão elevado, quando acontecem os encontros e desencontros entre os dois, que, certamente, deixará o leitor ansioso por saber como terminará a relação entre eles, assim como aconteceu comigo." 

Trechinho do   Posfácio

E, para encerrar, um trechinho retirado do  posfácio  feito pela autora Margarete Solange.

Do mesmo modo que, ao lermos uma obra, podemos nos identificar com vários personagens, um único personagem pode ter sido baseado em diversas pessoas. [...]

É natural que o romancista busque nas pessoas da vida real ou em personagens de outros autores características para suas criações. Stony, Marina e Heitor, por exemplo, são baseados em Heathcliff, Catherine e Edgar, personagens do romance de Emily Brontë. [...]

Pois é, às vezes até desejamos dar um final diferente a nossas criaturas, porém, nem sempre depende de nós autores fazê-lo. Eu sinceramente não esperava que Marisca aprontasse tudo que ela aprontou. Por vezes, planejamos de um jeito, mas o personagem teima e faz de outro, completamente fora do planejado. [...] (p. 203-204)
Espero que minha matéria tenha contribuído para deixar você com muita vontade de ler essa obra.
Big beijo da Marina. UAU!


Para saber mais sobre a autora e obra acesse