Pesquisar este blog

Seguidores do Nosso Bloguinho - Mural Blogger

sábado, 25 de junho de 2011

Brincadeira... OBA!

Oi gente maravilhososa desse nosso literário bloguinho. Vamos brincar de brincar?! E a brincadeira é... REFORMULAR! Tanram!! Pedi a autora Margarete um poeminha empestado para a gente fazer uma farra legal. Ela, então, gentilmente nos enviou o poema “Passos Ritmados”. Esse poema ela fez quando era da nossa idade, ih faz tempo! Brincadeirinha, autora, um escritor não tem idade, ou tem a idade que quiser ter através de seus personagens. Bom, vamos a tarefa... e a tarefa é: trocar as palavras que estão destacadas de vermelho, vamos ver a criatividade de cada um.

Passos Ritmados


Venho nesses passos
Livres sem laços
Como pássaros.
Tenho embaraçados traços,
Estilos e problemas,
Fabrico meus temas,
Invento poemas
Tristes como o meu lema...
Apaixonar e viver
Sorrir e sofrer
Sem me deixar morrer.

- 1981* -



Dica fácil, você copia e cola o poema nos comentários e vai trocando as palavras, se a criatividade faltar, você dá uma copiadinha na ideia de alguém. Mas cole com elegância,  discretamente para não dá na vista. 

Convidamos todos os colaboradores do blog a participar também, inclusive a autora Margarete. Só ficarão de fora os muito velhos, acabados, encalhados, rabujentos, sem charme e sem graça, se você não se encaixou em nenhuma dessas categorias mencionadas vai ter que entrar na brincadeira. Beijo da Super.


Fonte:

Margarete Solange. 
Um chão Maior. 
Santos, 2001.
.

e







Fontes: Margarete Solange.
Inventor de Poesia: 
Versos Líricos. Queima-bucha, 2010



segunda-feira, 20 de junho de 2011

A Difícil Arte de SER Compreendido


Crônica de Margarete Solange


Desde pequena eu queria agradar. Queria ser uma boa filha, boa aluna, melhor amiga de alguém. Esforçava-me para tirar notas altas e passar sempre em qualquer exame para o qual eu fosse submetida. Quando somos crianças e adolescentes, isso é mais fácil porque os critérios de avaliação obedecem uma lógica que poucos ousam violar, melhor dizendo, nessa fase da vida passar em exames depende de nós, de nosso esforço e dedicação. Não faltam elogios aos nossos feitos, então ficamos acostumados a ser louvados e achamos que somos capazes de conquistar tudo aquilo que queremos. Pensamos que podemos tudo. Quando crescemos, vemos um outro mundo, nos misturamos a estranhos, e a sobrevivência torna-se ainda mais complicada,  algumas vezes nossos sonhos são castrados. Então, alguns de nós se tornam bichinhos acuados que atacam para se defender. Se continuarmos tentando agradar a todos nos sentimos confusos e frustrados porque isso é tarefa impossível. As pessoas querem nos moldar conforme o seu querer e suas necessidades. Não conseguimos ser tão elásticos assim. Não faz bem para nós mesmo desejarmos ser demasiadamente simpáticos, mesmo porque, nunca acham que somos, e passam a dar as nossas falhas um peso bem maior que aquele atribuído as nossas virtudes. Por vezes, aquilo que é qualidade e agrada a uns é detestável para outros, uns nos admiram, outros, talvez por inveja, não sei, nos antipatizam. Atraímos amigos e inimigos, mesmo quando não temos intenção de fazer nem uma coisa e nem outra. Estou na metade de minha vida e ainda sinto-me um tanto confusa na arte de entender as pessoas, além disso sinto-me tremendamente incompreendida. Todavia, creio que num ponto, tenho um pensamento acabado: todos temos nossas particularidades: umas que são dignas de elogios e outras consideradas chatices de algum modo. Isso, a meu ver, serve para qualquer tipo de pessoa, sejam elas tímidas: tranquilas e inofensivas, sejam brincalhonas: espalhafatosas de otimismo contagiante ou mesmo aquelas que se acham auto-suficientes: autoritárias e pensam que são melhores que as demais ou ainda os melancólicos que, geralmente, são donos de grandes talentos, e possuidores de temperamento instável que costuma variar de um extremo a outro. Li muito, observei muito, desapontei e fui desapontada para poder compreender que as coisas não são como queremos que sejam; é por isso que fazemos acepção de pessoas no momento de afunilarmos nossas amizades. Agora, que compreendo isso, já não quero me obrigar a mudar para agradar, prefiro que respeitem mais as minhas particularidades, meus limites. Hoje, já não ando mais a procura do amigo ideal, leal, embora sei que na velhice vou olhar para trás e ver que encontrei no curso de minha vida alguém que mereceu esse título, alguém que soube reconhecer as minhas virtudes e que me compreendeu apesar dos defeitos.


"Na velhice vou olhar para trás e ver que encontrei na vida alguém que mereceu esse título, alguém que soube reconhecer as minhas virtudes e que me compreendeu apesar dos defeitos".  Margarete Solange, 2003


Margarete Solange escritora de crônicas, contos, romances e poesias, com sete obras publicadas, recebeu, em 2009, premiação no concurso literário, escritor Norte-riograndense, promovido pelo projeto Rota Batida III, com o livro de contos Ninguém é Feliz sem Problemas.

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Luar sobre a Savana

Margarete Solange  
A verdade sobre mim
É que sou, desde criança,
Um bicho assustado, acuado,
Que ataca pra se defender.
Livre no meio da selva
Sou uma leoa mansa
Que brinca rodeada de filhotes.
Desce o sol, surge o luar
Sobre a savana.
Viaja o vento: sopra juba, crina, pêlo,
Trigo, flores, mato...
Qualquer capim em derredor de mim.
Tremem rios e lagos e
Eu, quieta, sem susto, sem fome,
Deito e durmo...
Levanto, brinco,
Corro, caço e como.
Não tenho que ser diferente
Do que sou.
E a vida se mistura à natureza,
Selvagem e bela:
Boa, simples, pura, sem censura,
E eu como qualquer leoa
Vou vivendo mansa e feliz,
Sem cobranças,
Longe da civilização.

 
Fontes: Margarete Solange.
Inventor de Poesia: 
Versos Líricos. Queima-bucha, 2010

A mãe leoa é muito cuidadosa com seus filhotes. Só que ela também tem que trabalhar fora, já que, entre os leões, a fêmea é quem caça. Como não dá para correr atrás das presas com os filhotes a tiracolo, as leoas acharam uma solução para esse problema: elas se afastam do resto do grupo e formam um clube de mães. Assim, às vezes, enquanto uma mãe vai caçar, outras cuidam dos filhotes, como se fosse uma creche, numa boa! Elas até sincronizam o parto para que os filhotes nasçam na mesma época e, assim, uma possa amamentar os filhos da outra. Sob os cuidados de várias leoas, não há como o filhote ficar desprotegido enquanto a mãe busca alimento para o grupo.


sábado, 4 de junho de 2011

PNEU FURADO

Fernando Veríssimo

O  carro estava encostado no meio-fio, com um pneu furado. De pé ao lado do carro, olhando desconsoladamente para o pneu, uma moça muito bonitinha.
Tão bonitinha que atrás parou outro carro e dele desceu um homem dizendo
"Pode deixar". Ele trocaria o pneu.
– Você tem macaco? - perguntou o homem.
– Não - respondeu a moça.
– Tudo bem, eu tenho - disse o homem - Você tem estepe?
– Não - disse a moça.
– Vamos usar o meu - disse o homem.
E pôs-se a trabalhar, trocando o pneu, sob o olhar da moça.
Terminou no momento em que chegava o ônibus que a moça estava esperando.
Ele ficou ali, suando, de boca aberta, vendo o ônibus se afastar.
Dali a pouco chegou o dono do carro.
–  Puxa, você trocou o pneu pra mim. Muito obrigado.
–  É. Eu... Eu não posso ver pneu furado. Tenho que trocar.
–  Coisa estranha.
–  É uma compulsão. Sei lá.


*          *         *


 Essa foi boa Ahahahahahahahaha
D+!!!! Esse Veríssimo é o Cara!

Fonte Veríssimo, Luís Fernando.
Pai não Entende Nada. L&PM, 1991.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Vale a Pena Ver de Novo

Oi, pessoal, eternamente criança desse Nosso Literário Bloguinho. A dica de hoje é Era do Gelo 2. Sei que não é lançamento, mas já foi, e isso não é problema... Assim sendo, quem ainda não viu deve correr pra ver e quem já viu, "vale a pena ver de novo". Lembrei desse filme logo que vi um certo Ratinho tendo um xilique. 
Eu consigo Voaaaaar. 
Tchuummmm!!!

Ahahahaha D++++!!! Muito divertido! Alguém já dizia que o que é bom pra criança é bom pra qualquer idade. Concordo na maior empolgação. Minha mãe Marina adora esse filme. Houve um tempo que ela tava tendo insônia porque não conseguia relaxar pra dormir, então ela colocava esse filme e pouco tempo depois adormecia. Mas veja bem, não porque o filme não fosse interessante, adormecia porque ela achava muito divertido e já tinha visto mais de... perdi a contra: deixa pra lá. É isso aí, coisas pra criança tem que BBB Belo, Bom e Barato, ou então um barato!!! Não se deve subestimar as crianças, elas são inteligentes, elas sabem das coisas!
Beijo do grande Leon 
para todas as crianças maravilhosas desse nosso enorme BRASIL!!



Gente inteligente, agora o babado é o seguinte: comentem a dica do Leon Fernandes para a gente saber que você passou por aqui, e depois deixem uma indicação de filme bem legal, fazendo um rápido comentário para nos convencer a assisti-lo. É bom demais assistir um filme recomendado pela crítica que é gente da gente. E ai, quem topa? Nossa que multidão... Legal!! Não empurra! Vamos organizar a fila e  então é só postar.


Super beijo da Super