Pesquisar este blog

Seguidores do Nosso Bloguinho - Mural Blogger

sábado, 29 de maio de 2010

O SONHO DE CATARINA

Conto de Margarete Solange.

Catarina tinha um grande sonho: participar de um concurso de beleza e ser a vencedora. E é claro que seria a vencedora! – pensava e dizia. – Considerava-se belíssima e, na realidade, o era. A sua formosura era tamanha que chamava a atenção das pessoas quando passava pelas ruas. Ela sabia que muitos olhares estavam voltados em sua direção: homens, mulheres, crianças, todos olhavam quando ela passava faceira, nariz empinado, jogando propositadamente os sedosos cabelos de um lado para o outro. A finalidade principal desse seu gesto era mesmo chamar a atenção, provocar inveja nas mulheres que não tinham o privilégio de ter os cabelos lindos como os seus. Parecia estar constantemente desfilando numa passarela: tinha um jeito especial de andar... de sorrir... de falar. Uma coisa assim que não se explica. Os seus passos eram macios, parecendo flutuar em vez de caminhar; andava na ponta dos pés. Estudava balé (para satisfazer as suas vaidades, os pais faziam qualquer sacrifício). Cuidava da pele com produtos especiais, e que pele era a sua! Macia como pétalas de rosas. A sua cor era linda! Os olhos então, nem se fala... 
Catarina era uma mocinha deslumbrante, mas tinha um defeito físico a respeito do qual ela nunca falava. Na verdade, ela odiava esse defeito e tentava ocultá-lo o quanto podia. Ninguém era conhecedor dessa sua particularidade, a não ser a própria família, ou melhor: o pai, a mãe, os dois irmãos mais velhos e a irmã mais nova, Claudenice.
Bom... continuando onde parei: o ponto fraco de Catarina era as orelhas, um pouco grandes. Porém, ninguém, além dessas poucas pessoas, sabia de seu segredo, porque ela tinha o cuidado de não deixá-las à mostra. Para manter esse segredo, fazia qualquer coisa e, como era uma mocinha muito enjoada, os seus irmãos a enfrentavam com a única arma que tinham contra ela, quer dizer, quase única, porque havia também o nome, que ela odiava: chamava-se Antônia Catarina, por causa de uma promessa feita por uma comadre de sua mãe, logo que soube que a menina nascera laçada pelo cordão umbilical (existem os que acreditam na ingênua superstição de que as meninas que nascem laçadas, se não se chamarem Antônia, não se criam).Assim sendo, para deixá-la profundamente irritada, bastava chamá-la pelo primeiro nome ou, por outro lado, fazer menção ao tamanho de suas orelhas. Com essas duas armas, os irmãos conseguiam dela tudo que quisessem, qualquer favor, por mais delicado que fosse.
Claudenice, então, bastava que fosse levemente ofendida para lançar-lhe em rosto um desses dois “defeitos”, tão indesejados. Mas, na realidade, nenhum deles podia trair a irmã, revelando o seu segredinho sobre o tamanho de suas orelhas, uma vez que, quem o fizesse, receberia dos pais o mais duro castigo que pudessem dar. Para proteger Catarina, faziam qualquer negócio. Eles próprios encarregaram-se de esconder o defeito da filha durante toda a sua infância e adolescência. A pobre menina crescera cercada de muitos cuidados, a fim de que ninguém lhe percebesse tal imperfeição.

– 2 –


Finalmente, um concurso foi lançado, exatamente quando a garota havia atingindo a idade de dezoito anos, e nada a impedia de poder inscrever-se. Faltava-lhe o sono à noite, pensando como seria a novidade. O dia da inscrição chegou. Os seus pais, pessoalmente, providenciaram-lhe a participação no concurso. Tinham certeza da vitória.
Aproximava-se o grande dia. Catarina ensaiava, dia e noite, em frente ao espelho de seu quarto. Num desses dias, discutiu com a irmã, xingaram uma a outra, atracaram-se pelos cabelos... A mãe, pondo-se no meio das duas, deu um fim à confusão, fazendo ameaças de castigar a filha mais nova, caso ela voltasse a provocar a sua favorita. Quando estavam novamente a sós, Claudenice, sentindo-se magoada pela injustiça cometida pela mãe, fitou a irmã com um olhar penetrante, colérico, e disse-lhe:
– Cuidado hein, Antônia, o concurso vem aí... talvez suas adversárias gostem de saber que par de orelhões você tem!
Catarina gelou, tornou-se pálida, perdeu o sono. Enquanto isso, vez por outra se olhava no espelho e, vendo que a irmã estava adormecida, levantava os longos cabelos e contemplava as orelhas, que pareciam maiores a cada vez que, mecanicamente, repetia esse gesto neurótico.
No dia seguinte, passou a tratar Claudenice com as maiores gentilezas, fazendo-lhe todas as vontades. Nada poderia estragar o seu grande sonho de ser reconhecida oficialmente, em toda a cidade, como sendo a moça mais bela. As suas amiguinhas iriam morrer de inveja. Quando ganhasse o concurso, teria dinheiro suficiente para fazer uma plástica, um implante de umas orelhas feitas sob medida, ou qualquer outra coisa que solucionasse o seu problema. Depois disso, então, poderia acertar as contas com a irmã. Daria o troco por ter tido que lhe fazer bajulações além da conta.

 – 3 –


Numa noite, nem quente nem fria, deitou-se mais cedo que de costume. Com o olhar fixo no teto do quarto, sonhava com o grande dia, e dizia para si mesma que tudo estava sob controle, que nada, nem ninguém iria atrapalhar os seus planos... até que:
– Antônia... queridinha...– Era Claudenice que entrava pela porta do quarto, falando com ironia e fitando-a com cara de felicidade. – Adivinha o que tenho pra te dizer?
Catarina, com voz doce, tentando ser muito agradável, perguntou à irmã o porquê de tamanha felicidade estampada no seu rosto. Ela, então, fez-lhe saber a grande nova: todas as candidatas do concurso iriam usar roupas e penteados iguais... e o modelo escolhido fora os cabelos presos no alto da cabeça, deixando as orelhas à mostra.
– Essa não!... não!... não!... – gritava a bela moça, no maior pranto.
Claudenice ria... ria... ria... e quanto mais a outra se desesperava, mais ela gargalhava, segurando os próprios cabelos no alto da cabeça e desfilando pelo quarto com passos leves, imitando o andar da candidata à mais bela garota da cidade.
– Antônia Catiii... – cantava provocadora – olha as orelhinhas de fora. Catiii!... ninguém vai conseguir enxergar seus belos olhos cor de mel... – desatava a rir – mas as suas orelhas...
A moça chorava, desesperada. Não havia ninguém na casa que pudesse ouvi-la. Todos tinham saído. Ela se jogava na cama e colocava os travesseiros em volta da cabeça. No entanto, continuava ouvindo a irmã anunciar o seu nome, e como uma serpente que cospe longe o seu veneno, lançava no ar uma multidão de palavras ferinas.
A bela moça, ainda transtornada, deixou-se conduzir até diante do espelho. A irmã, com expressão impiedosa no olhar, levantou-lhe os cabelos de fios de seda, pondo-lhe as orelhas de fora. Catarina, horrorizada, fechou rapidamente os olhos para não ter que vê-las, porque lhe pareceram enormes, maiores que nunca!
– ANTÔNIA CATARINA! – anunciou com voz enfática. – Vencedora do concurso das mais belas orelhas do Brasil! – desatava a rir malvadamente, chegando-se mais para perto da pobre irmã, que lutava para não ouvir mais nada.
Não suportando a tortura, correu em direção à cozinha e, num impulso, abriu a gaveta do armário, tirou uma faca afiada e cortou a orelha direita. Mirou-se no vidro do guarda-louça. Arrependeu-se. Atirou a faca no chão. Contemplou a própria orelha ensanguentada no assoalho da cozinha.
– Não! Não! – gritava descabelando-se, sentindo o sangue quente descer de sua orelha decepada. – Minha orelha!... – chorava. – Minha orelhinha!...
Nesse instante, Claudenice apresentou-se no portal que dividia a cozinha da sala de jantar. Apanhou a faca do chão e a estendeu em direção à irmã, que a fitava aterrorizada.
            – A outra Cati... a outra também é enorme...
            – Não... a outra não... a outra não... a outra não – repetia, afastando-se da irmã, protegendo a orelha esquerda com a mão.
            Catarina tentava gritar bem alto para que alguém pudesse ouvi-la, mas não conseguia. A voz foi perdendo a força e foi sumindo... sumindo... sumindo...           

– 4 –


– Cati! Cati! – chamava-lhe uma voz, que parecia vir de muito longe. – O que foi, Cati?
Despertou ouvindo a voz terna de Claudenice e, sentindo-lhe a mão quente que repousava carinhosamente sobre o seu ombro. Catarina abraçou-a, chorando, enquanto segurava a orelha direita, como sem acreditar que realmente estivesse no seu devido lugar.
Quando contou sobre o terrível pesadelo que tivera, a irmã, muito compadecida, prometeu-lhe que jamais voltaria a zombar de seu defeito, e assegurou-lhe que, na verdade, não achava que suas orelhas eram tão grandes assim, apenas via nisso uma maneira de atingi-la nas horas das desavenças (Coisas desse tipo são muito comuns nas briguinhas entre irmãos).
A partir desse acontecimento, Catarina tornou-se mais humilde e menos presunçosa. Conseguiu realizar o seu sonho... – Não o sonho de cortar a própria orelha, claro! – Realizou o grande sonho de ser eleita a garota mais bonita de sua cidade. Ganhou um bom dinheiro como prêmio, porém não quis fazer plástica. Desde então passou até a usar penteados que lhe deixassem à vista o pequeno defeito. Vez por outra, ouvia algum comentário desagradável com relação às suas orelhas, mas não dava muita importância. Creio que aprendera a lição. Faço minhas as palavras de minha mãe, que, por sua vez, deve tê-la aprendido com a mãe dela: “Ruim com elas, pior sem elas!”

*      *     *



Fotografia de Claudio Roberto





Fonte: Margarete Solange. 

Ninguém é Feliz sem Problemas. 
Fundação Vingt-un Rosado, 2009.

Fonte: Margarete Solange.
Mais Belo que o Pôr-do-Sol e outros contos.
Santos Editora, 2000.

17 comentários:

  1. Acho esse conto maravilhoso.A modelo está espetacular.
    As vezes nos preocupamos com coisas tão banais e acabamos esquecendo as mais importantes.
    Vamos deixar o que Deus fez do jeito que estão e vamos arrumar as besteiras que nós fazemos.
    Temos muito o que fazer e pensar.
    Ler é um bom começo,aproveite e adquira as obras citadas acima.

    ResponderExcluir
  2. Ei sua colona, colou minha palavra ESPETACULAR, não foi? Pois vou colar uma sua...
    GENTE DO CÉU, não é que está mesmo espetacular.
    Pois é, todo mundo que é bonito tem lá os seus defeitos. Tem gente que é bonito mas o defeito é colar as palavras do outros.KKKKKKKK

    ResponderExcluir
  3. Ei, gente, é brincadeirinha. É só pra fazer graça, pra acanalhar Nadjane. E é porque eu nem conheço ela. Imagine se conhecesse. abração, até a próxima.

    ResponderExcluir
  4. Agora falando sério, vou comentar o conto. É uma bonita história. Uma lição de vida. Não devemos zombar de ninguém por ser bonito ou feio. A verdade é que aquilo que é feio para uns, pode ser bonito pra outros. No fim das contas, a irmã admitiu que as orelhas nem eram tão feias assim.

    ResponderExcluir
  5. Ei eu conheço outra versão da historia de Catarina, a hISTORIA É A PRAGA DE CATARINA|, SE ME DEIXAR EU CONTO NO SEU PROXIMO LIVRO.RSRS

    ResponderExcluir
  6. Infelizmente, valorizamos muito pouco as virtudes que temos e realçamos de modo grandioso aquilo que consideramos menos honroso em nossa vida. Perfeitos jamais seremos, temos que conciliar tudo em nossa vida de maneira que tenhamos uma vida melhor nesse mundo. Quem já não teve vergonha de alguma coisa pessoal ao longo sua vida, principalmente na adolescência e juventude?

    ResponderExcluir
  7. O conto é legal. Tal como Catarina, eu tenho algo que me incomoda, mas dá pra levar. Com tanto que ninguém solte piada. Ah, a propósito, esta foto esta muito bela. Valeu Maressa!

    ResponderExcluir
  8. é um belo conto, uma lição de moral tão forte quanto decepar a própria orelha... acho que vou passar uns três dias sem dormir mas nunca mais dou valor a coisas fúteis, quer dizer,sempre que possível.

    ResponderExcluir
  9. Gosto demais desse conto e já o li inúmeras vezes, mas hoje ao lê-lo me emocionei bastante... Parecia que estava lendo pela primeira vez e que não conhecia o desfecho. Nem sei explicar ao certo o motivo de tanta emoção, mas o final me comoveu bastante:me segurei!
    Comentando a foto, selecionada, eu digo que está simplesmente, incrivelmente...
    A.M.E.I!

    ResponderExcluir
  10. Vc tem razão Maria...estou ficando tão limitada,enquanto vc tá ótima na escrituração.tem a de quem herdar.Parabéns!

    ResponderExcluir
  11. Que limitada nada, Nad. Vc tá ótima nos seus comentários. Adoro seu entusiasmo. Vc me alegra, me diverte e me deixa cheia de vida. Beijão, minha querida.

    ResponderExcluir
  12. Adorei o conto! :D
    Nos dá uma lição pra toda a vida, a de não dar tão grande valor às coisas mais banais, e sim, viver sempre feliz, com o que temos, e como somos!
    É preciso aceitar as pessoas como são, esquecendo seus defeitos, e realçando nelas suas virtudes!

    ResponderExcluir
  13. Recadinho pra Nadjane...
    Deixe de história, mulher. Seus comentários não são nada de limitados, são jóias. Eu às vezes espero vc comentar primeiro só pra colar as ideias.

    ResponderExcluir
  14. KKKKKKK choro de rir com Maria e Margarete,que bela dupla.Uma, grande escritora a outra espetacular comentarista,filósofa,psicóloga e as vezes comediante.
    Gente de Deus essa família é de Deus mesmo!

    ResponderExcluir
  15. Belissimo esse conto... Uma licao de vida que me comoveu. Sempre tive isso dentro de mim de aceitar as pessoas do jeito que são, mesmo sendo dificil de entede-las, até por que ninguem é perfeito... Devemos nos amar, amar e aceitar as pessoas do jeito que são...
    Muito Linda a foto de Maressa...
    um Beijão pra autora e Maressa...

    ResponderExcluir
  16. Obrigada pelo carinho, linda. Gosto muito desse conto... Fui eu quem fez a postagem e selecionei essa foto de Maressa. Procurei na net uma imagem pra esse conto, mas acabei decidindo por esta. Um beijão das duas pra você.

    ResponderExcluir
  17. Pelo suspense a gente pensa que a orelha foi mesmo decepada, mas felizmente no final vem o alivio para o leitor.

    ResponderExcluir