Pesquisar este blog

Seguidores do Nosso Bloguinho - Mural Blogger

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Soneto 11

poesia de Luís Vaz de Camões

O amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;

É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo Amor?




Luís Vaz de Camões (1524/1580)  foi um célebre poeta de Portugal considerado uma das maiores figuras da literatura em língua Portuguesa e um dos grandes poetas do Ocidente. Iniciou a sua carreira como poeta lírico e envolveu-se, como narra a tradição, em amores com damas da nobreza e possivelmente plebéias, além de levar uma vida boemia e turbulenta. Diz-se que, por conta de um amor frustrado, se auto-exilou na áfrica, alistado como militar, onde perdeu um olho em batalha. Foi preso várias vezes, combateu bravamente ao lado das forças portuguesas e escreveu a sua obra mais conhecida, a epopéia nacionalista Os Lusíadas. Escola literária na qual sua obra se enquadra é o classicismo.


*Fotografia de Felipe Galdino.

8 comentários:

  1. Acho lindo essa poesia do Camões.
    Fala do amor forte, de verdade mesmo. Acho que esse amor que ele fala é um amor misturado com paixão. Bonita

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Opa, persoá do brog, pessu discurpa eu te apagado us cumedntáru acima, foi pro modi que tinha um errim de purtuguês, num sabi?
    meu cumentário é o seguinti:
    Meus povu venham cumentar esse poemo que pareci tão cheio das buniteza. Oces nu lugá de vim logo, ficam remanchanu. Nam... hum rum.Um poemi tão cheio de mitaforas, todo floreadu duma lindezas rumanticas. venham logu pra nois pude postá outru.

    ResponderExcluir
  4. A poesia é bela,sempre gostei D+ da mesma,ñ sabia nada sobre o autor,nem nunca tinha visto sua cara.Que homem feio hein Leon!Só se um dia ele foi bonito kkkk.DonAnona,Vc tá por demais inteligente viu?sabe até q/ o poema é cheio de metáfora!Se preocupa com os erros ñ,vc escreve muito do bom!Será que ele escreveu essa poesia depois do acidente do olho coitado.Mas,o cabra é Bom D+!Beijos pra todos!

    ResponderExcluir
  5. Realmente a poesia é bonita e profunda. Talvez seja um amor sincero que ele expressou em sua poesia.Ou ele tava amando alguém ou ele amava a literatura. Acho que ele tava falando das duas coisas. De seus amores.

    ResponderExcluir
  6. O soneto é lindo: D++. Os casais também. Meninas não fechem os olhos nem por um minuto... digo isso porque vos tenho grande amizade. bjão da super

    ResponderExcluir
  7. É isso mesmo meninas, não fechem os olhos principalmente se Aninha estiver por perto. Hehehehe
    Brincadeirinha Super!
    Agora meu comentário:
    Esse Camões é da pesada. O Soneto é mil: desenha e pinta o amor com total intimidade. Oh cabra poético!

    ResponderExcluir
  8. Ai que lindo, *-* Essa poesia é muito bonitinha :)

    Eu não fecho mesmo os olhos, é tanta beleza que me deixa boba :O

    ResponderExcluir